Pages - Menu



Carta ao príncipe (des)encantado

28/05/2012


Querido Encantado,
Esta noite sonhei novamente com você. Seus brilhantes olhos me pediam caridosamente para não colocar meus pés gelados de frio na batata da sua perna, enquanto virava para o outro lado da cama embolado nas cobertas. Era engraçado ver sua carinha de resmungão enquanto me puxava com sua delicadeza peculiar para o aconchego dos seus braços.
A cada novo sonho você parece diferente e cada vez sinto você mais perto de mim. Como se seu coração tivesse adquirido um GPS de última geração e agora ao invés de placas você se guiasse por um satélite que por vezes fora desprezado: seu coração. É como naquela série de TV em que o príncipe não se lembra da sua identidade, mas de alguma forma sabe onde está o amor da sua vida. Você sabe onde me encontrar, mas se perde demais pelo caminho.
Sinto sua falta encantado. Cada dia mais. E fico me perguntando se a gente precisa mesmo perder alguma coisa pra ganhar algo melhor em troca. Cinderela perdeu um sapatinho, eu já perdi vários pedaços desse meu coração pelo caminho, mas tenho certeza que você vai encontrar todos eles e montar peça por peça como se fosse um quebra cabeça desordenado que precisa apenas de um bom jogador para encarar o desafio.
A noite é curta para um querer tão intenso e no sonho você me desperta com um desses sorrisos lindos e cativantes que a gente só vê em propaganda de pasta de dentes. Você me convenceu: eu compro o produto. Eu levo as coisas boas e as ruins também, porque de uma forma ou de outra eu sinto que esse foi o pacote que eu esperei por toda minha vida. Um sorriso, esse era o sinal. Eu podia me aproximar, me enroscar, me aninhar até que o dia se fizesse presente e nos obrigasse a levantar. Porque tempo hoje é algo quase tão precioso quanto comer, quando não se tem parece que o vazio dentro da gente fica cada vez maior. Consigo ouvir minha respiração e o ruído da saudade.
Estou pensativa, analisando se em algum lugar do planeta você também fecha os olhos quando escuta a palavra amor. É quase dia dos namorados e todo ano espero ansiosamente pela sua chegada, arrumo a casa e a bagunça do coração, coloco os pratos sujos, os copos lascados e as mágoas numa gaveta bem escondida que é pra não estragar o jantar, e junto com as taças novinhas de vinho coloco um frasco vazio que é pra encher de amor quando você se sentar ao meu lado.
A essa altura já tenho dúvidas do que é realidade e o que é fantasia. Me aproximo de você, ali, deitado do outro lado da cama, e no momento do tão esperado beijo, aquele que diz se o sapatinho de cristal serve ou não nesse pé cansado, eu acordo. Eu simplesmente acordo. Antes que pudesse abrir os olhos um par de abraços se encarrega de me acalmar da minha euforia, me envolve numa redoma de carinho e antes que eu pudesse raciocinar coloca nos devidos lugares, todas as peças do quebra cabeça.
- Calma, foi só um sonho…
Querido encantado, não foi só um sonho…
Suspiro. Acima da realeza te agradeço por ser real. Afinal, amores de verdade são infinitamente melhores que os amores dos sonhos. Sejam eles encantados ou não.

Danielle Daian

Nenhum comentário:

Postar um comentário